Skip to main content

By Meat and Poltry

3 de Març0 de 2022

Segurança alimentar, integridade alimentar, proteção ao consumidor e conformidade são os principais objetivos de qualquer estratégia de proteção de marca. É por isso que os sistemas de inspeção que indicam materiais estranhos em carnes ou aves são vitais para uma operação.

“Nos últimos 12 meses, vimos uma demanda crescente por sistemas de inspeção mais rápidos, versáteis e higiênicos, pois os processadores de carnes e aves estão enfrentando uma demanda crescente dos varejistas para fornecer produtos em diferentes estilos e tamanhos de embalagens”, disse Eric Garr, gerente regional de vendas na Fortress Technology, Toronto, Ontário.

A detecção de metais e a inspeção por raios-X são os tipos mais comuns de tecnologia utilizados nas linhas de processamento e embalagem de carnes e aves. Porém a detecção de metais é mais comum, principalmente devido ao fato de que as inclusões metálicas são o contaminante número um nas indústrias. No entanto, o raio-X pode ser usado como uma tecnologia complementar, fornecendo a oportunidade de detectar alguns contaminantes não metálicos e fornecendo outros recursos de análise do produto, como o teor de gordura.

“A detecção de metais hoje em dia não apenas continua sendo a espinha dorsal da conformidade de segurança alimentar para a maioria das indústrias, mas também fez grandes avanços nos últimos anos em termos de precisão e prevenção de falsos positivos”, disse Garr. “Atualmente, a detecção de metais pode rivalizar com a inspeção por raios-X em alguns dos mais difíceis desafios de contaminação de metais, mantendo um custo de capital e custo de propriedade muito mais acessíveis.”

Robert Rogers, consultor sênior de segurança alimentar da divisão de inspeção de produtos da Mettler-Toledo, Columbus, Ohio, observou que o departamento se concentra principalmente no espaço de fabricação, fornecendo detecção de metais, equipamentos de inspeção por raios X, soluções de visão baseadas em câmeras e soluções de pesagem de verificação em linha .

“No que diz respeito à contaminação física, você realmente vê uma ampla gama de nossas soluções utilizadas para isso”, disse ele. “Os detectores de metais procuram metais nos produtos; O raio X procura outros materiais estranhos; e os sistemas de visão podem fazer um pouco de inspeção de contaminação, principalmente na inspeção de contêineres vazios.”

Steven Cummings, gerente regional de vendas da Anritsu, com sede em Allen, no Texas, observou que os novos regulamentos de segurança alimentar exigem que todos os processadores de alimentos tomem ações corretivas muito rapidamente e isso levou a uma tecnologia mais nova e melhor.

Por exemplo, a tecnologia do sistema de raios X XR75 da Anritsu tem inúmeras vantagens para descobrir os menores contaminantes de materiais estranhos para garantir a melhor segurança alimentar para os clientes do processador.

“Esse sistema oferece a melhor tecnologia de desempenho que encontra contaminantes menores enquanto ajusta as falsas rejeições, economizando para nossos clientes uma quantia significativa de dinheiro e tempo para retrabalhar o produto ou evitar perdas de produtos descartados”, disse Cummings. “Nosso sistema padrão XR75 é o mais popular pelo fato de possuir um tubo de raios X HD de baixa energia que dura de 200% a 300% mais do que nossos concorrentes tradicionais.”

Tecnologia como essa é importante, ele acrescentou, porque permite que as empresas evitem reclamações que podem levar a recalls e podem custar milhões ao fabricante e também aftar a reputação.

Meghan Tompkins, gerente de qualidade da Corbion, Totowa, em NJ, observou que o uso de sistemas de inspeção de materiais estranhos é necessário para mitigar os riscos associados a objetos indisejados em produtos acabados no ambiente de produção.

“Uma combinação de controles e tecnologia, como os detectores de metal, é essencial para garantir que nenhum material com contaminação por um corpo estranho possa representar um sério risco à saúde de nossos clientes”, disse ela. “A utilização da tecnologia de inspeção de materiais estranhos nos ajuda a fornecer produtos e serviços seguros e de qualidade com zero defeitos para nossos clientes.”

Christy Draus, gerente de marketing da Eagle Product Inspection, Lutz, Flórida, observou uma série de desafios do setor, incluindo escassez de mão-de-obra, margens apertadas e regulamentações cada vez mais rigorosas, que levaram à demanda por sistemas avançados de inspeção que possam proteger os produtos e ajudar a proteger os processos dos processadores.

“Nos últimos dois anos, houve uma demanda crescente na automação e rastreabilidade, pois os fabricantes procuram fazer mais com menos e buscam capturar mais informações sobre o que produzem para o mercado consumidor”, disse ela. “Assim, os mais recentes sistemas de inspeção por raios X da Eagle são projetados com tecnologias de última geração que atendem às necessidades agudas do setor, com recursos que permitem processos simplificados, ajudam a evitar recalls, auxiliam na conformidade regulatória e acompanham a demanda por velocidade e multifuncionalidade. ”

A Eagle Product Inspection ajuda as empresas de carnes e aves a navegar com sucesso pelas muitas mudanças em seu setor. Por exemplo, à medida que a demanda por rastreabilidade se expande, softwares de última geração como SimulTask ​​PRO e TraceServer da Eagle melhoram a rastreabilidade no nível do item, capturando informações e imagens detalhadas sobre cada produto que é inspecionado”, disse Draus.

“Os sistemas de raios X da Eagle também funcionam para reduzir problemas de mão de obra enquanto inspecionam automaticamente os produtos quanto a possíveis riscos à segurança alimentar e problemas de qualidade”, disse ela. “Uma das tecnologias mais recentes da Eagle foi projetada para encontrar os menores contaminantes que podem inviabilizar uma linha de processadores e seus resultados: a inovadora Tecnologia de raios-X de desempenho captura uma quantidade maior de informações sobre o produto que está sendo inspecionado e produz raios-X mais detalhados imagens para fornecer a detecção de contaminantes mais precisa do setor.”

NOVO E MELHORADO

A Fortress testemunhou uma mudança acentuada não apenas em termos de neutralização dos tipos de efeito de produto mais obstrutivos, mas também em áreas-chave, como sensibilidade amplamente aumentada e aprendizado de produto de passagem única, permitindo níveis muito mais altos de eficácia geral do equipamento, conformidade e segurança do produto .

“Cada tipo de carne – picada, pedaços grandes, cozidos, congelados, etc. – tem efeitos de produto variados e, portanto, se comportam de maneira diferente em um detector de metais”, disse Garr. “Além disso, se cada item for embalado individualmente, a embalagem geral pode ser mais espessa ou ter efeitos próprios, o que pode limitar ou afetar adversamente o desempenho de um detector de metais”.

Portanto, observou Garr, um detector de metais que pode executar várias frequências simultaneamente, como o Fortress Interceptor, é ideal para esses tipos de produtos à base de carne, pois pode inspecionar com precisão uma ampla variedade de produtos com efeitos variados.

“Os produtores de carnes processadas, como hambúrgueres ou tiras de frango, que podem ter tido problemas para detectar flocos metálicos finos, não esféricos e planos podem se beneficiar do Interceptor DF”, disse ele. “Usando uma operação simultânea de múltiplas frequências, é o primeiro detector de metais do mundo a usar várias direções de campo eletromagnético e eliminar o efeito de orientação de contaminantes ultrafinos que poderiam passar por um único campo sem criar uma perturbação. Isso o torna ideal para uso em aplicações de baixo perfil, incluindo rissóis de carne e aves.”

Além disso, o Fortress Meat Pump Pipeline foi projetado para fornecer máxima sensibilidade de detecção de metais e tempo de atividade em locais de fabricação de carne 24 horas por dia, otimizando os padrões de higiene e combatendo a contaminação cruzada.

“Devido à sua natureza altamente condutora, a carne gera sinais que podem ser erroneamente interpretados por um detector de metais como um contaminante”, disse Garr. “Além disso, bolhas e espaços vazios no fluxo do produto podem desencadear falsas rejeições, levando a um aumento de desperdício e paradas de produção desnecessárias. Para superar esse efeito do produto, o Fortress Meat Pump Pipeline aborda esses desafios aplicando uma poderosa tecnologia de processamento de sinal digital para distinguir claramente o sinal gerado por um contaminante de metal do produto que está sendo inspecionado.”

No final de 2021, a Mettler-Toledo apresentou o detector M30 R-series, que é indicado em áreas de mercado intermediário para alcançar organizações que estão tentando desenvolver seus programas de segurança alimentar e são desafiadas a fazê-lo devido a investimentos de capital.

“Fornecidos pelo software inteligente SENSE, os algoritmos avançados do sistema possibilitam que esses modelos básicos ofereçam alta sensibilidade a todos os tipos de contaminantes metálicos com o mínimo de rejeições falsas”, disse Rogers.

A empresa também tem um novo sistema compacto de raios-X que está sendo lançado este ano, com tamanho reduzido tornando muito mais fácil colocá-lo em um processador.

TECHNOLOGIA EM EVOLUÇÃO

Com a atual cultura de mídia social e reportagens 24 horas por dia, um único incidente de contaminação pode chegar às manchetes nacionais quase instantaneamente. As consequências financeiras e de reputação podem ser devastadoras. E, claro, isso coloca os processadores de carne e aves sob pressão crescente. Consequentemente, a tecnologia de inspeção continua a evoluir.

“Fortress testemunhou uma mudança radical não apenas em termos de neutralização dos tipos de efeito de produto mais obstrutivos, mas também em áreas-chave, como sensibilidade amplamente aumentada e aprendizado de produto de passagem única, permitindo níveis muito mais altos de OEE, conformidade e segurança do produto, disse Garr. “A detecção de metais continua superando a inspeção por raios X em alguns dos desafios de contaminação mais difíceis, mantendo um custo de capital e custo de propriedade muito mais acessíveis.”

Embora o uso de detectores de metal para inspeção de materiais estranhos não tenha mudado ao longo dos anos, a própria tecnologia evoluiu, permitindo maior detectabilidade e melhores padrões de segurança alimentar.

“A evolução do equipamento de inspeção de materiais estranhos permite que nossas instalações melhorem continuamente os sistemas de qualidade e segurança alimentar e garantam produtos seguros e de qualidade para nossos clientes”, disse Tompkins.

MARTER-SE SEMPRE ATUALIZADO

Como o ritmo de mudança se acelerou na indústria de carnes e aves, amplificado pela pandemia, questões trabalhistas e da cadeia de suprimentos e outras circunstâncias e tendências, Draus espera ver uma demanda contínua por automação e rastreabilidade, juntamente com máquinas de inspeção verdadeiramente multifuncionais.

Embora o controle de materiais estranhos seja inerentemente orientado ao processo, se as pessoas não forem treinadas para entender o que pode dar errado e o que procurar, a integridade dos alimentos ainda pode ser comprometida.

“No geral, há várias etapas que um processador de carne e aves pode seguir para ajudar a controlar a introdução de materiais estranhos em produtos alimentícios”, disse Garr. “Incutir uma forte cultura de segurança alimentar e auditorias de rotina pode ajudar.”

Translate »